segunda-feira, 16 de janeiro de 2012


EXCLUSIVO: O JORNAL IMPACTO NOTÍCIAS DE HELIÓPOLIS ENTREVISTA O PROFESSOR LANDISVALTH LIMA. AQUI ELE NÃO TERÁ LIMITES PARA FALAR SOBRE A CIDADE DE HELIÓPOLIS E OS ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS QUE MARCARAM O ANO DE 2011. A EDIÇÃO DO JORNAL IMPACTO NOTÍCIAS DE HELIÓPOLIS CIRCULOU NAS PRINCIPAIS RUAS DE HELIÓPOLIS NA ÚLTIMA SEXTA FEIRA DIA 13/01/2012

IMPACTO. A pergunta que não quer calar indaga: Por que o seu Blog (Landisvalth Blog) foi censurado pela Juíza da Comarca de Cícero Dantas e o que você tem a dizer sobre na Justiça Brasileira?
LANDISVALTH. A censura é uma mordaça. É um recurso que os incompetentes usam quando estão sendo desmascarados. Eles não podem me chamar de ladrão, caloteiro, velhaco, irresponsável, incompetente e, o principal, não podem me comprar. Sabem que eu não sou produto exposto em prateleira de supermercado. Então, querem me calar com esta velha arma utilizada nos regimes ditatoriais. É também uma espécie de confissão de culpa. Quanto à Justiça, ela é um Poder usado para o bem e para o mal. Já vi um Juiz dizer numa sentença que a Vice Governadoria da Bahia não tinha influência política sobre o município de Heliópolis. Ouvi casos de um Promotor que era visto constantemente em comilanças e bebedeiras com autoridades, ou filhos de autoridades, ao mesmo tempo em que julgava processos contra estes. Relatos de agentes da Justiça dizendo que deviam obrigações e gratidão a um determinado alcaide e, o pior de todos, chamar o denunciante e dizer a ele: “Largue mão disso! Isso não vai dar em nada! Vai parar numa gaveta e nunca ser julgado e você ainda corre risco de terminar como um Tiradentes!”. Por outro lado, há Eliana Calmon, Odilon de Oliveira e outros heróis. Este filme ainda não acabou. Os bandidos de toga não vencerão.  As Leis brasileiras, embora feitas para proteger bandidos e corruptos, também podem ser usadas para colocá-los na cadeia. Sei que as prisões estão cheias de ladrões de galinhas, mas alguns corruptos e bandidos que assaltam o povo estão experimentando o gosto da vida com o sol nascendo quadrado. Ainda confio na Justiça!
IMPACTO. Diante da censura estabelecida pela Justiça, acatando uma denúncia feita pelo Prefeito de Heliópolis Waltinho, você considera isso como uma vitória da oposição ou uma tentativa de calar as denuncias feitas no seu blog?
LANDISVALTH. Eu não chamo isso de vitória. São capítulos de uma narrativa que terminará com a vitória do bem sobre o mal, espero. Estes oito processos que a família do prefeito move contra mim é uma clara tentativa de me vencer pelo bolso. Não cometi nenhum crime, mas tenho que pagar a um advogado para me defender. O prefeito declarou que sua fazenda na Boa Sorte valia 60 mil reais, quando da época de sua candidatura. Será que ele a venderia hoje pelo dobro do preço? Outra: como se deu o processo da compra de sua casa em Heliópolis por 150 mil reais? Como foi feita a compra de um apartamento em Aracaju? Como o seu filho, sem emprego, comprou animais de raça em leilão televisivo? Eu estou respondendo por ter questionado o que todos questionam e divulgado declarações de fontes informativas. O prefeito, que é o agente administrador do dinheiro público, que desviou mais de 200 mil reais do FUNDEB, comprovado pelo próprio TCM, que teve que devolver dinheiro aplicado irregularmente em propaganda, como denunciou a vereadora Ana Dalva, não tem que provar nada. Num país sério, Waltinho não poderia passar diante de uma delegacia de polícia!
IMPACTO. Como você avalia esses três anos da gestão do Prefeito Waltinho e quais foram os pontos positivos e negativos?
LANDISVALTH. Os pontos positivos? Está difícil, Jorge! Mas há um: Waltinho foi o prefeito que mais conseguiu recursos para o município de Heliópolis. Some os mandatos de Aroaldo, Zé do Sertão e o de Genival. Eles não trouxeram nem metade do que Waltinho conseguiu. Isso porque ele tem todos os cargos ao seu dispor: 2/3 dos vereadores da Câmara, deputado estadual, deputado federal, 3 senadores, ministros, governador de estado, vice-presidente e presidente da república. A única voz verdadeiramente contra Waltinho é a da vereadora Ana Dalva. Digo isso porque uma coisa é estar do lado dos opositores e outra é fazer oposição. Só Ana Dalva faz oposição em Heliópolis. E todos estes recursos não foram suficientes para melhorar a vida do povo. A educação está um caos, a saúde é um desastre. Os recursos do município desapareceram. Tenho que admitir: embora com menos recursos, os prefeitos anteriores foram menos ruins que Waltinho. Só na educação, Waltinho deu um show. A grana que ele vai ter que devolver ao FUNDEB, com recursos do próprio município, infelizmente, é mais que o dobro das devoluções dos mandatos dos outros prefeitos. Isto ou é incompetência velada ou corrupção safada, visível, explícita, aí na nossa cara, como se todos nós fôssemos um bando de otários cegos! O sr. Walter Rosário está sendo o maior desastre político da história de Heliópolis, mesmo tendo oportunidades jamais tidas por outro prefeito.
IMPACTO. Você acredita que o Prefeito Waltinho pode contar com uma provável vitória em 7 de Outubro ou ele não tem chances de ser reeleito?
LANDISVALTH. Se você fizer uma pesquisa hoje dentro do grupo dos Pardais ele perde. Só falam bem de Waltinho os contratados, aqueles que assumem cargos de confiança ou cabos eleitorais oportunistas. É, seguramente, o prefeito mais impopular da nossa história. A reeleição dele seria um desastre muito maior que a própria eleição. E Heliópolis não conseguirá pagar esta conta. Será a falência do município.
IMPACTO. Quem são, quantos são e onde está a oposição ao prefeito Waltinho?
LANDISVALTH. Repito: Waltinho tem muitos opositores e só Ana Dalva que exerce a oposição. Há opositores que trabalham aguardando o erro do administrador para se promover. A verdadeira oposição denuncia, usando todos os recursos institucionais, os erros para evitar um prejuízo maior ao município. A verdadeira oposição quer melhorar e não jogar na cara do povo a ideia de que foi ele quem escolheu agora que sofra! Fora do meio político, há o meu blog, o SINDHELI e a Comissão de Direitos Humanos. Digo o SINDHELI porque aquela greve fez um benefício enorme a Heliópolis. Mostrou a todos a face oculta da administração Walter Rosário, que só era vista no meu blog e na atuação da vereadora Ana Dalva.
IMPACTO. Como você analisa a união dos dois ex-prefeitos Aroaldo Barbosa e Zé do Sertão e o que existe por traz disso tudo?
LANDISVALTH. Do ponto de vista político é interessante. São duas vozes que podem contribuir para corrigir os destinos de Heliópolis. Agora, se eles querem mais uma vez continuar no mesmo caminho de antes, só vão ajudar a aumentar o caos. Aroaldo e Zé do Sertão já tiveram suas oportunidades. É hora do novo com qualidade e eles podem, se desejarem mesmo o bem de Heliópolis, contribuir.
IMPACTO. Existe alguma possibilidade da união da vereadora Ana Dalva, Gama Neves e você com Aroaldo Barbosa e Zé do Sertão?
LANDISVALTH. Só depende deles. Estou aberto ao diálogo. Quero um projeto político novo para Heliópolis. Quero melhorar isto aqui. Eles querem? Então estou pronto! Agora não me venham com as velhas práticas. Estou vacinado contra tudo de inútil que cheira a mofo. Já votei nos dois mais de uma vez. Perdi muitas noites acreditando no projeto político dos dois e os erros de ambos colocaram Waltinho na prefeitura. Não vou fazer politica como negócio e nem como submissão à ideia de vencer para derrubar o outro. Quero debater o futuro de Heliópolis. É isso que me interessa. Estão prontos para isso? Até agora só Gama Neves se prontificou a fazer isso. Precisamos sentar com o povo. Não podemos ficar utilizando o povo só para votar.
IMPACTO. A União de Ana Dalva e Gama Neves está bem sólida. Ela pretende disputar uma cadeira no poder Executivo ou uma reeleição no Legislativo?
LANDISVALTH. Ana Dalva está pronta para qualquer parada. Se precisar continuar como vereadora ela vai continuar. Se for para a cabeça da chapa ela vai. O que ela quer é um projeto político. O acordo com Gama Neves está bem claro: ele deve estar melhor na fita que ela para ser o candidato e ter um projeto político elaborado e discutido conosco e com a comunidade. A primeira parte ele está tentando fazer, mas a segunda ele ainda nem começou. Nós não vamos apoiar um candidato porque ele tem lindos olhos. Se não for Ana Dalva a candidata, que seja Gama Neves, mas com condições de resolver os problemas do município.
IMPACTO. Se Gama Neves for o candidato a prefeito tendo como vice Aroaldo Barbosa você e sua esposa Ana Dalva apoiaria Gama Neves?
LANDISVALTH. Esta chapa não existe. Aroaldo, até aqui, não pode ser candidato a nada. Até o seu Título de Eleitor está suspenso.
IMPACTO. Qual seria o melhor nome nesse momento para disputar com o atual prefeito?
LANDISVALTH. Não tenho a menor dúvida: Ana Dalva. Acho que ela tem hoje as condições, desde que auxiliada por Gama Neves, Aroaldo Barbosa, Zé do Sertão e esta juventude talentosa que ainda não teve oportunidades. Ela pode unir o passado com o presente para projetar um futuro melhor. Seu plano está pronto. Uma ideia minha: Ana Dalva prefeita, Gama Neves vice, Aroaldo Secretário de Obras, Zé do Sertão vereador Presidente da Câmara e as outras secretarias ocupadas por jovens com novas ideias. Aí eu poderia ir para a Argentina fazer o meu doutorado porque saberia que Heliópolis estava em boas mãos.
IMPACTO. Sobre as palavras de Zé do Sertão que usou o espaço desse jornal para falar ao Povo e aos políticos dessa cidade. Como você analisa as perguntas e respostas do mesmo?
LANDISVALTH. Zé do Sertão é um grande gozador. Só pode ser gozação. Ele tem uma emissora de rádio que não fala um grama dos problemas de Heliópolis. Tem uma esposa que é vereadora e não fala nem mesmo na rádio do marido contra os desmandos de Waltinho. Pelo amor de Deus, Zé! Abra o espaço para o debate! Esse negócio de ficar falando como marqueteiro não dá. Ele também é responsável por muitos dos problemas de Heliópolis. Discutir erros é uma forma de melhorar e não pode ser visto como algo que denigra a pessoa. É até um gesto de humildade. Tem que parar com essa história de um aliado ser submisso, bajulador e aplaudir tudo. Aliado tem que ser crítico. JK dizia que o crítico nos dá melhor identidade e a gente aprende a nos conhecer melhor. Zé do Sertão não se acha um ser comum. Eu sou comum. Ninguém é Deus. Agora que foi divertida foi! Ri pra caramba, Tio Jorge!
IMPACTO. Faça um resumo amplo da real situação das áreas de Saúde, Educação, Segurança e Meio-ambiente do município.
LANDISVALTH. Será que depois do que disse aqui ainda é preciso dizer mais alguma coisa, Jorge? Se for para detalhar, só em outra entrevista. É coisa para uns dez jornais deste.


Nenhum comentário: